Proposta Pedagógica Ensino Médio

Os princípios e as finalidades que orientam o Ensino Médio, oferecido a adolescentes em idade de 15 (quinze) a 17 (dezessete), preveem, como preparação para a conclusão do processo formativo da Educação Básica, objetivando:

·         A consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental, possibilitando o prosseguimento   de estudos;

·         A preparação básica para o trabalho, tomado este como princípio educativo, e para a cidadania do aluno, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de enfrentar novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores;

·         O aprimoramento do aluno como   um   ser de  direitos,  pessoa  humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico;

·         A compreensão dos fundamentos científicos e tecnológicos presentes na sociedade contemporânea, relacionando a teoria com a prática.

 

A formação ética, a autonomia intelectual, o pensamento crítico que construa sujeitos de direitos se iniciam desde o ingresso do aluno no mundo escolar. Estes são, a um só tempo, princípios e valores adquiridos durante a formação da personalidade do aluno. É, por meio da convivência familiar, social e escolar que tais valores são internalizados. Quando o aluno chega ao Ensino Médio, os seus hábitos e as suas atitudes crítico-reflexivas e éticas já se acham em fase de conformação. Mesmo assim, a preparação básica para o trabalho e a cidadania, e a prontidão para o exercício da autonomia intelectual são uma conquista gradativa promovida pela escola e requerem a atenção de todas as etapas do processo de formação do aluno. Nesse sentido, o Ensino Médio nas escolas, como etapa responsável pela terminalidade do processo formativo da Educação Básica, organiza-se para proporcionar ao aluno  uma  formação  com  base  unitária, no  sentido  de  um  método de  pensar e compreender as determinações  da  vida  social  e  produtiva; articulando trabalho, ciência, tecnologia e cultura na perspectiva da emancipação humana.

Na definição e na gestão do currículo, consideram-se aspectos de ordem legal e teórico-metodológica. Sua lógica dirige-se aos alunos do Ensino Médio, não como categorização genérica e abstrata, mas consideradas suas singularidades, que  se  situam  num tempo  determinado, que, ao  mesmo  tempo, é  recorte da existência humana  e  herdeiro  de  arquétipos conformadores da sua singularidade inscrita em determinações  históricas.

Compreensível  que  é  difícil  que  todos  os  alunos  consigam  carregar  a  necessidade  e  o  desejo  de  assumir todo o programa de Ensino Médio por inteiro, como se acha organizado. Dessa forma compreende-se que o conjunto de funções atribuídas ao Ensino Médio não corresponde à pretensão e às necessidades dos jovens dos dias atuais e às dos próximos anos. Portanto, para que se assegure a permanência dos jovens na escola, com proveito, até a conclusão da Educação Básica, a escola procura prever currículos flexíveis, com diferentes alternativas, para que estes tenham a oportunidade de escolher o percurso formativo que mais atenda a seus interesses, suas necessidades e suas aspirações.

Deste modo, essa etapa do processo de escolarização se constitui em responsável pela terminalidade do processo formativo do aluno da Educação Básica, e, conjuntamente, pela preparação básica para o trabalho e para a cidadania, ingresso no ensino superior, e o exercício da autonomia intelectual. 

Na perspectiva de reduzir a distância entre as atividades escolares e as práticas sociais, o Ensino Médio possui uma base unitária sobre  a  qual  podem  se assentar possibilidades diversas: no trabalho, como preparação geral ou, facultativamente, para profissões técnicas; na ciência e na tecnologia, como iniciação científica e tecnológica; nas artes e na cultura, como ampliação da formação cultural. Assim, o currículo do Ensino Médio organiza-se de modo a assegurar a integração entre os seus sujeitos, o trabalho, a ciência, a tecnologia e a cultura, tendo o trabalho como princípio educativo, processualmente conduzido desde a Educação Infantil.